quinta-feira, 5 de julho de 2012

PROJETO LITERATURA


TEMA: “ROMANTISMO - POESIA”

Público alvo: crianças que estejam cursando do 6º ao 9º ano do ensino fundamental .
Métodos usados: leitura com interpretação.

Objetivos:
Levar a criança a conhecer e compreender a diversidade de literatura conhecendo o estilo literário em questão.

Disciplinas envolvidas:
Língua portuguesa, literatura e História.

Conteúdos Abordados
Livros de literaturas onde contenham textos de escritores brasileiros como: Gonçalves Dias, Álvares de Azevedo, Castro Alves, Joaquim Manuel de Macedo, José de Alencar, entre outros romancistas.

Etapas de desenvolvimento

1- Conscientização e sensibilização das crianças (numa roda de conversa fazer entender da importância da literatura brasileira e sua diversidade.
2- Nessa etapa a criança aprende a identificar os textos através de um “passeio” pela história brasileira.
3- Nessa etapa a criança aprende sobre os autores e contextos em que os poemas foram escritos


Recursos utilizados nessa etapa
Conversas, debates pesquisas e consulta na biblioteca sobre os escritores mencionados

Pensando o problema.
Nessa fase as crianças são levadas a pensar a influência destes escritores na literatura brasileira. Em seguida vão começar a pensar e organizar uma atividade prática para conscientização e sensibilização dos colegas do colégio.

Recursos utilizados nessa etapa:
Debates, conversas, pesquisa, dinâmicas e planejamentos em grupos.

Duração dessa etapa: 1 semana.

3- Aplicando os conhecimentos na prática.
Nessa fase do projeto as crianças ficam divididas em grupos e terão que montar um mural e realizar uma atividade prática orientada e supervisionada pela professora com apresentações de poesias.

Recursos utilizados nessa etapa:

Construção de um mural, pesquisas e trabalhos em grupo.
Atividades propostas para os grupos trabalharem:
Criação de um sarau;

Tempo estimado para duração do projeto:
um mês.

Formas de avaliação

Participação do aluno durante o desenvolvimento do projeto;
Auto-avaliação por escrito do aluno e
Desempenho, interesse e participação do aluno em todas etapas do projeto.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
MAIA, João Domingues. Português – volume único – Ensino médio. São Paulo/SP: Editora Ática, 2000. pp194 a 228.



sábado, 30 de junho de 2012

ACENTUAÇÃO

Regras básicas – Acentuação tônica

A acentuação tônica implica na intensidade com que são pronunciadas as sílabas das palavras. Aquela que se dá de forma mais acentuada, conceitua-se como sílaba tônica.

As demais, como são pronunciadas com menos intensidade, são denominadas de átonas.

De acordo com a tonicidade, as palavras são classificadas como:

Oxítonas – São aquelas cuja sílaba tônica recai sobre a última sílaba.

Ex.: café – coração – cajá – atum – caju papel

Paroxítonas – São aquelas em que a sílaba tônica se evidencia na penúltima sílaba.

Ex.: útil – tórax – táxi – leque – retrato – passível

Proparoxítonas - São aquelas em que a sílaba tônica se evidencia na antepenúltima sílaba.

Ex.: lâmpada   câmara   tímpano médico ônibus

Como podemos observar, mediante todos os exemplos mencionados, os vocábulos possuem mais de uma sílaba, mas em nossa língua existem aqueles com uma sílaba somente: são os chamados monossílabos, que, quando pronunciados, apresentam certa diferenciação quanto à intensidade.

Tal diferenciação só é percebida quando os pronunciamos em uma dada sequência de palavras. Assim como podemos observar no exemplo a seguir:

Sei que não vai dar em nada,
Seus segredos sei de cor”.


Os monossílabos ora em destaque, classificam-se como tônicos; os demais, como átonos (que, em, de).
 Os acentos

# acento agudo (´) – Colocado sobre as letras "a", "i", "u" e sobre o "e" do grupo “em” indica que estas letras representam as vogais tônicas de palavras como Amapá, caí, público, parabéns. Sobre as letras “e” e “o” indica, além da tonicidade, timbre aberto.


Ex.: herói – médico – céu

# acento circunflexo (^) – colocado sobre as letras “a”, “e” e “o”, indica além da tonicidade, timbre fechado:

Ex.: tâmara – Atlântico – pêssego – supôs

# acento grave (`) – indica a fusão da preposição “a” com artigos e pronomes.


Ex.: à às àquelas àqueles

# O trema (¨) – De acordo com a nova regra, foi totalmente abolido das palavras. Há uma exceção: é utilizado em palavras derivadas de nomes próprios estrangeiros.

Ex.: mülleriano (de Müller)

# O til (~) – indica que as letras “a” e “o” representam vogais nasais.

Ex.: coração – melão – órgão ímã

Regras fundamentais:

Palavras oxítonas:
Acentuam-se todas as oxítonas terminadas em: "a", "e", "o", "em", seguidas ou não do plural(s):

Pará – café(s) – cipó(s) – armazém(s) 

 http://www.brasilescola.com/gramatica/acentuacao.htm

quinta-feira, 21 de junho de 2012

EMPREGUETES: TRABALHANDO TEXTO COM MÚSICA

Uma boa sugestão é trabalhar com texto de música do momento. Foi exatamente o que fiz.
Sabedor do sucesso da novela televisiva "Cheia de charme" que traz a reboque a música EMPREGUETES e que estava sendo comentada e cantada em sala de aula, então levei vídeo e letra da música. Assim além de lermos o texto/música, pesquisamos no dicionário as palavras desconhecidas. Identificamos os versos e estrofes, autores, rimas e temporalidade preparando os alunos do 3º ano do E. F. para entender modos e tempos verbais. A culminância do projeto rendeu uma apresentação coreografada com a música trabalha.
Claro que colaboração em equipe, amizade, expressão corporal, Educação Física, representação teatral, lateralidade dentre outras nortearam o projeto.



video

Vida de Empreguete

Empreguetes

Todo dia acordo cedo,
Moro longe do emprego
Quando volto do serviço quero o meu sofá



Tá sempre cheia a condução
Eu passo pano, encero chão
A outra vê defeito até onde não há



Queria ver madame aqui no meu lugar
Eu ia rir de me acabar
Só vendo a patroinha aqui no meu lugar
Botando a roupa pra quarar



Minha colega quis botar
Aplique no cabelo dela,
Gastou um extra que era da parcela



As filhas da patroa,
A nojenta e a entojada,
Só sabem explorar, não valem nada



Queria ver madame aqui no meu lugar
Eu ia rir de me acabar
Só vendo a cantora aqui no meu lugar
Tirando a mesa do jantar



Levo vida de empreguete, eu pego às sete
Fim de semana é salto alto e ver no que vai dar
Um dia compro apartamento e viro socialite
Toda boa, vou com meu ficante viajar



Levo vida de empreguete, eu pego às sete
Fim de semana é salto alto e ver no que vai dar
Um dia compro apartamento e viro socialite
Toda boa, vou com meu ficante viajar



Todo dia acordo cedo,
Moro longe do emprego
Quando volto do serviço quero o meu sofá



Tá sempre cheia a condução
Eu passo pano, encero chão
A outra vê defeito até onde não há



Queria ver madame aqui no meu lugar
Eu ia rir de me acabar
Queria ver madame aqui no meu lugar
Eu ia rir de me acabar



Levo vida de empreguete, eu pego às sete
Fim de semana é salto alto e ver no que vai dar
Um dia compro apartamento e viro socialite
Toda boa, vou com meu ficante viajar



Levo vida de empreguete, eu pego às sete
Fim de semana é salto alto e ver no que vai dar
Um dia compro apartamento e viro socialite
Toda boa, vou com meu ficante viajar


domingo, 27 de maio de 2012

PONTUAÇÃO


PONTUAÇÃO

Olá queridos amiguinhos, vocês já perceberam que quando estamos lendo um texto, às vezes precisamos dar uma paradinha, fazer uma pergunta, exclamar algumas frases ou até mesmo finalizá-la.
 Convidamos vocês agora para conhecerem esses personagens tão importantes que nos ajudam na construção e compreensão dos textos. 
Vamos lá?
PONTO FINAL
- Olá! Eu sou o ponto final. Sou usado para finalizar uma frase. Eu estou espalhado em diversos lugares de um texto.
VÍRGULA
- É, mas eu que sou conhecida como vírgula, também sou tão importante quanto o ponto final. Sou usada para indicar uma pequena pausa durante a leitura.
PONTO E VÍRGULA
-Já eu o ponto e virgula sou o máximo! Gosto de ficar parado por, mais tempo do que a vírgula, mas nem tanto quanto o ponto.
DOIS PONTO
-E eu sou o dobro do ponto final, mais conhecido como dois pontos. Sirvo para anunciar a fala de alguém ou que um esclarecimento se aproxima.
PONTO DE EXCLAMAÇÃO   
-Agora é a minha vez! Sou o ponto de exclamação. Apareço quando há surpresa e espanto nos textos.
PONTO DE INTERROGAÇÃO
-Eu, o ponto de interrogação, sou utilizado quando há dúvida ou ima pergunta.

TRAVESSÃO  
-Bom, pequeninos, todos me chamam de travessão. Sou utilizado para trocar de fala em um discurso, quando há conversas no texto.
RETICÊNCIA
-Agora sou eu! Identificam-me como reticência, e sou usada para indicar um pensamento que não foi concluído ou terminado.

Viram amiguinhos leitores, como a pontuação é importante para poder entender um texto ou uma frase? Não só para entendermos, mas também, para construí-los.
Sendo assim, percebemos que sem a pontuação adequada a leitura fica sem sentindo, incompreensível.
A partir de agora vamos pontuar direitinho. Certo?
Boa sorte!


sábado, 21 de abril de 2012

Complementos circunstancial e relativo


Complemento circunstancial

Na gramática tradicional, o "complemento circunstancial" é a função sintática que designa um complemento verbal ou frásico que se relaciona com o verbo de forma não obrigatória, isto é, que constituem complemento facultativo, independente do verbo. É realizado por sintagmas nominais (SN), sintagmas adverbiais (SADV), ou sintagmas preposicionais (SP):

i) Esta manhã (SN) houve uma invasão no Iraque.
ii) O barco descia o rio lentamente (SADV).
iii) Pintam telas com tinta da china (SP).

O complemento circunstancial exprime sempre uma circunstância,como se pode ver na tabela que se segue:

Lugar - Neste país as pessoas adoram futebol.
Tempo - Todos os anos havia baile na aldeia.
Modo - Subiu a ladeira com muito esforço.
Causa - Não foi ao concerto por falta de dinheiro.
Fim - Esse carro não é para venda.
Meio - Atravessámos o rio de bote.
Instrumento - Bata os ovos com a batedeira.
Matéria - O vestido foi bordado a ouro.
Companhia - Vivia com dois colegas estrangeiros.
Preço - O apartamento custou muito dinheiro.
Peso - O touro pesa meia tonelada.


Complemento relativo

Com relação ao complemento relativo, diz-nos o autor que “... ligado ao verbo por uma preposição determinada (a, com, de, em, etc.), integra, com o valor de objeto direto, a predicação de um verbo de significação relativa.” (p. 251). Não representa, porém, “... a pessoa ou coisa a que se destina a ação, ou em cujo proveito ou prejuízo ela se realiza. Antes denota, como o objeto direto, o ser sobre o qual recai a ação.” (p. 251). Além disso, na terceira pessoa,  não corresponde às formas pronominais átonas lhe, lhes, mas às formas tônicas ele, ela, eles, elas, precedidas de preposição, conforme ilustram os exemplos a seguir (p. 252):

a)assistir a um baile - assistir a ele
b)depender de despacho – depender dele
c)precisar de conselhos – precisar deles
d)reparar nos outros – reparar neles

Na sala de aula, ser portador desse conhecimento deixa o professor em situação mais confortável se, durante a exposição do assunto ou da realização de um exercício a ele relacionado, um aluno perguntar-lhe: “Por que eu posso dizer entregar-lhe e não posso dizer gosto-lhe?”

Análise sintática: definição


Análise sintática é uma técnica empregada no estudo da estrutura sintática de uma língua. Ela é útil quando se pretende:

1. descrever as estruturas sintáticas possíveis ou aceitáveis da língua; ou
2. decompor o texto em unidades sintáticas a fim de compreender a maneira pela qual os elementos sintáticos são organizados na sentença.
Sendo a análise sintática uma aplicação estritamente voltada para a sentença, parte-se dessa unidade maior para alcançar os seus constituintes - os sintagmas – que, por sua vez, são rotulados através das categorias sintáticas. Como se vê, é um exercício de decomposição da sentença. Vejamos um exemplo de análise sintática:
Teu pai quer que você estuda antes de brincar.
...[há três orações]
...[1ª oração: teu pai quer = oração principal]
...[na 1ª oração: sintagma nominal = teu pai; sintagma verbal = quer]
...[sintagma verbal da 1ª oração: formado por um verbo modal]
...[2ª oração: que você estuda = oração subordinada objetiva direta]
...[na 2ª oração: sintagma nominal = você; sintagma verbal = estuda]
...[2ª oração: introduzida pelo pronome relativo que]
...[3ª oração: antes de brincar = oração subordinada adverbial reduzida de infinitivo]
...[sintagma adverbial: locução adverbial de tempo: antes de]
...[sintagma verbal: brincar]